Câmara Fria

Este projeto foi pensado no intuito de criar uma nova maneira de refrigerar dispositivos eletrônicos. O sistema utiliza um sensor SHT75 para captar valores de temperatura e através do controle de uma pastilha peltier o dispositivo é refrigerado.

VÍDEO:

CONTEÚDO:
Este projeto é autônomo, sendo que seu controle é realizado através das informações obtidas pelo sensor e fornecidas ao microprocessador programado para atender as exigências de controle do programador.
A unidade física é uma caixa de madeira que simula a temperatura de um dispositivo que super aquece através de uma lâmpada. Esta lâmpada é ligada com um dimmer para que possa ser variada a temperatura dentro da caixa, e assim possa ser observado o controle da temperatura através da pastilha peltier.
O microprocessador utilizado foi o AT89S52, programado em C. A comunicação entre o sensor e ele é feita através do padrão de comunicação I2C.
A comunicação I2C é realizada através de dois canais, o SCL , e o SDA. O SCL são os clocks fornecidos para que possa ser transmitidos e recepcionados os dados que são captados através do SDA. Primeiramente o microprocessador através de uma seqüência programada especificada pelo sensor, trasmite os bits informando ao sensor que deve ser feito a leitura de temperatura, e então em seguida o sensor responde com o bits que informam o valor da temperatura. Esse bits através de um cálculo, também especificado pelo sensor, fornece a temperatura.
*todas as informações sobre o sensor podem ser encontradas a seguir no datasheet (http://www.sensirion.com/en/pdf/product_information/Datasheet-humidity-sensor-SHT7x.pdf)
**todas as informações sobre o microprocessador podem ser encontradas a seguir no datasheet (http://www.afonsomiguel.com/content/89s52-datasheet)

MATERIAIS:
Resistor
Capacitor
Transistor
Relé
Pastilha Peltier
AT89S52
Cooler
Dissipador
Cristal Oscilador
SHT75

CONCLUSÃO:
Do projeto inicial alterou-se bastante coisas devido a ineficiência dos materiais utilizados.
O sensor SHT75, fornece medida de temperatura e umidade. A pastilha peltier utilizada possui as especificações de 160W, sendo 10A e 16 V. Com essa potência seu resfriamento poderia causar umidade podendo queimar um dispositivo que estivesse ligado a peltier, por isso foi utilizado um sensor com a capacidade de leitura de umidade. Porém a fonte utilizada para a alimentação da peltier, foi uma fonte de computador, fornecendo até 4A com 12 V, sendo que esses valores não foram satisfatórios para a criação de umidade dentro da caixa, logo não houve a necessidade de medida de umidade.
Acreditamos que a peltier não era eficiente, pois não foi adquirida de um fornecedor que possui garantia de funcionamento perfeito, ou seja, com 160W de potência.
Para que fosse possível reprojetar com 100% de aproveitamento, seria necessário uma pastilha que possuísse garantia em relação ao seu funcionamento.

AUTORES:
– Fernando P. Gomes
– Laura Wobeto
– Leonardo A. Ferreira
– Marcelo Jr. Cossetin

CONTATO:
– laura_wobeto@hotmail.com
– marcelojuniorcossetin@hotmail.com

DOCUMENTAÇÃO:
Documentação do Projeto